horario-de-verao

As 0h do dia 18 de outubro, próximo domingo, começa o horário de verão. E eu aposto meu dedão do pé esquerdo que, como todo ano, todos os telejornais do Brasil farão aquela mesma matéria clichê que coloca um repórter na rua perguntando pro povão “deve-se atrasar ou adiantar o relógio?”. Se eles fossem espertos, usariam a mesma do ano passado, ou retrasado. E se fossem criativos, falariam de outra coisa.

O fato é que pouca gente sabe quem inventou o Horário de Verão. Em 1907, na Inglaterra, William Willett começou a distribuir cartazes recomendando o melhor uso da luz solar. Para isso, propos avançar os relógios em 20 minutos nos domingos do mês de abril e retardá-los a mesma quantidade nos domingos de setembro. Fazendeiros não gostaram da idéia, alegando que para eles, tanto fazia as horas marcados no relógio, eles levantavam com o nascer do Sol e ponto. Anos mais tarde, a invenção de Willett seria colocada em prática e espalhada pelo mundo.

O primeiro Horário de Verão aconteceu na Alemanha em 1917. O motivo foi econômico: eram tempos de guerra e o carvão, fonte de energia da época, estava escasso, quanto mais as pessoas aproveitassem a luz do Sol, melhor. Desde então, vários países do mundo começaram a adotar o mesmo esquema e o Horário de Verão se popularizou.

No Brasil o Horário de Verão começou em 1931, sancionado pelo então presidente Getúlio Vargas.  Mas por estarmos em país tropical, no papel, a economia de energia nem é tão válida assim. O benefício real é que empurramos o horário do pico para mais tarde, evitando sobrecarregamentos nas redes elétricas. Quanto mais tarde o povo aceder as luzes, melhor.

Particularmente odeio a mudança de horário. Demoro para controlar meu relógio biológico a querer as coisas uma hora depois que o normal. E quando me acostumo, já é tarde, o horário de verão acaba. Fora ter que acordar quando ainda está escuro, o que é muito irritante.

Mas o que me irrita mesmo é o “empréstimo” mal pago que fazemos. Nos tomam 1 hora do dia quando o horário de verão começa. Ou seja, emprestamos uma hora de nossas vidas para alguém. Qualquer empréstimo deve ser pago com juros, pois vivemos em mundo capitalista em que a usura é liberada. Principalmente se esse empréstimo for a alguém desconhecido. Mas na hora do pagamento, quando o horário de verão acaba, devolvem a mesma hora que nos tomaram emprestada. Isso é praticamente inaceitável, nesses mais de 100 dias, essa hora tomada da gente, poderia ter sido revertida em muitas outras. Somos passados pra trás e nem percebemos.

Já que reclamar não adianta, o negócio é mesmo adiantar nossos relógios. E, para quem não sabe ainda, adiantar é colocar uma hora a mais, para ter uma hora a menos no dia. Achou complicado? Francamente eim, tu não vê a mesma matéria no jornal todos os anos?